Skip links

O ethos do wikipedista. Semelhanças e diferenças com o cientista

As novas tecnologias de informação e comunicação funcionam, atualmente, como um conjunto de próteses de produção de emoções, isto é, “maquinetas que modelam em nós uma sensibilidade puxada à manivela” (Martins, 2002, p. 182). Desta relação sociotécnica erguem-se sensibilidades e emoções que se subjetivam coletivamente, que se imitam, o que gera uma nova forma de estar, uma nova individuação social. E um aspeto sobressai nesta nova individuação: as redes digitais, acionadas por intelectos algorítmicos que capturam a atenção dos sujeitos ao apelarem ao seu próprio ego, que é largado constantemente no algoritmo maquínico, vivem depois alimentadas por uma gritaria sócio-emocional (Costa, 2020a).

É deste modo que as novas teletecnologias no geral e as redes digitais em particular apoiam a entrada das massas na história, reforçando o direito de se afirmarem enquanto sujeitos singulares. Todavia, o crescimento destas tecnologias de informação e comunicação tem sido quase sempre através dos sentidos auditivo e visual, assinalando assim um processo de translação de uma racionalidade do tipo argumentativo para uma racionalidade mais do tipo emocional, quer dizer, do logos e do ethos para o pathos, da ideologia para a sensologia (Perniola, 1993; Martins, 2011). Mas mais: podemos acrescentar ainda Kairós, do grego καιρός, aquele que significa o momento oportuno, “certo” ou “supremo”, isto é, a contingência feita momento onde se cruzam os interesses com as possibilidades que o momento confere – aquilo a que apelidei de intelecto contingente (Costa, 2020b).

Não obstante, e ao contrário de outros gigantes digitais, como por exemplo o Facebook, o YouTube, o Twitter ou o Google, a Wikipédia vive, ainda, alimentada maioritariamente pelo logos e pelo ethos. Não é que Kairós não apareça, que não se faça sentir. Sabemos que as edições sobre personalidades ou acontecimentos é tanto maior quanto maior é a relação entre o momento e a personagem ou o acontecimento – eis a força da contingência sobre os processos de produção Wiki. Não obstante, é o texto, e não a imagem, que comanda a ação ética e estética da Wikipédia. Misturando-se, é certo, questões de facto com questões de interesse (Latour, 2020) no que concerne à escolha de assunto para edição/ampliação nas páginas de Wikipédia. Tal como sugeria David Hume acerca do processo de conhecimento, impressões, capturadas pelos sentidos, e ideias, que se desenvolvem a partir das impressões, permitem a deambulação entre factos e interesses do conhecimento (Grayling, 2020). A Wikipédia não escapa a esta dinâmica: tanto o acontecimento (questão de interesse mediático) como o assunto de especialidade temática (questão de facto) constituem fortes gatilhos da ação do wikipedista.

Dentro de uma lógica voluntária e colaborativa, em rede o editor wikipedista repesca, de certo modo, o ethos que Robert. K. Merton (1973) atribuía ao cientista. Em nosso entender, tanto wikipedistas como cientistas em geral estão sujeitos a quatro processos similares: universalismo, comunismo, desinteresse e ceticismo organizado (Merton, 1973).

No que concerne à relação do wikipedista com o universalismo, e em semelhança com o cientista na perspetiva mertoniana, importa considerar que o wikipedista está sujeito a um padrão universal de regras provenientes do ecossistema da Wikipédia. Ainda que aqui o universal signifique o todo em determinado idioma. De facto, as suas entradas/investigações nesta enciclopédia digital devem seguir, quase obrigatoriamente, padrões universais de avaliação da respetiva cultura organizacional idiomática.

Já no que concerne à dimensão comunista do wikipedista, esta impõe-se na medida em que o conhecimento, proporcionado pelo trabalho de realização, aprovação e manutenção de uma entrada no seu ecossistema, constitui património comum da humanidade, e não propriedade privada. Mesmo que se trate de uma biografia, essa pode ser contestada, modificada, ampliada e sempre melhorada por wikipedistas que descobrem novos dados ou que conhecem novas histórias acerca do tema biografado.

Por seu turno, a dimensão do desinteresse relaciona-se com os fins. A Wikipédia, enquanto organização sem fins lucrativos, encontra na reprodução de conhecimentos e na sua verificação e validação o único objetivo, que é o da ampliação universal do acesso a conhecimentos e saberes. Neste sentido, o ethos do wikipedista é também, nesta dimensão, semelhante ao do cientista, que é, num curto espaço de tempo, o da ampliação e da propagação do conhecimento.

Finalmente, o quarto e último aspeto do ethos do wikipedista, que acaba por ser forçado pelas regras universais do ecossistema da Wikipédia, é a obrigatoriedade de utilização e de cruzamento de fontes independentes com validade ou legitimidade científicas. Esta premissa conduz o wikipedista, em nosso entender, a um certo ceticismo organizado, privando-o de formas de preconceito e de conclusões precipitadas sobre as entradas a criar.

Toda esta analogia do ethos científico em Robert King Merton (1973) com o wikipedista está plasmada, ainda que por outras palavras, nos cinco pilares fundadores da Wikipédia, escritos aquando da sua apresentação. A saber:

A Wikipédia é uma enciclopédia de amplo escopo que compreende elementos de enciclopédias generalistas, de enciclopédias especializadas e de almanaques. A Wikipédia não é um repositório de informação indiscriminada. A Wikipédia não é um dicionário, não é uma página onde se coloca o currículo, um fórum de discussão, um diretório de ligações ou uma experiência política. A Wikipédia não é local apropriado para inserir opiniões, teorias ou experiências pessoais. Todos os editores da Wikipédia devem seguir as políticas que não permitem a pesquisa inédita e procurar ser o mais rigorosos possível nas informações que inserem.
A Wikipédia rege-se pela imparcialidade, o que implica que nenhum artigo deve defender um determinado ponto de vista. Por vezes torna-se necessária a apresentação dos diversos pontos de vista sobre um dado tema, o que deve ser feito de forma precisa e contextualizada. Implica igualmente justificar verbetes com fontes reputadas sempre que necessário, sobretudo em casos relacionados com temas controversos. Nenhum ponto de vista deve ser apresentado como o “verdadeiro” e/ou o “melhor”, tampouco como o “falso” e/ou o “pior”.
A Wikipédia é uma enciclopédia de conteúdo livre que qualquer pessoa pode editar. Todos os textos estão disponíveis nos termos da Atribuição-Compartilhamento pela mesma Licença 3.0 Unported (CC-BY-SA 3.0), mas grande parte do conteúdo também está disponível sob GNU Free Documentation License (GFDL). Estas licenças autorizam qualquer um a criar, copiar, modificar e distribuir o conteúdo da Wikipédia, à condição de conservar esta mesma licença em usos posteriores, assim como creditar os autores originais. As suas contribuições também não devem violar nenhum direito autoral (copyright), nem serem incompatíveis com o licenciamento da Wikipédia. Como nenhum artigo possui dono e ninguém tem o controle de um artigo em particular, todo o conteúdo inserido na Wikipédia pode ser modificado e redistribuído sem aviso prévio por qualquer pessoa, inclusive de forma comercial.
Wikipédia possui normas de conduta. Respeite os outros editores da Wikipédia, mesmo que não esteja de acordo com eles. Comporte-se de forma civilizada, evite fazer ataques pessoais e generalizações. Mantenha-se calmo durante as disputas, procure o consenso e evite guerras de edições. Recorde que a Wikipédia lusófona possui 1 047 787 artigos nos quais você pode trabalhar. Sobretudo, assuma a boa-fé. Não utilize contas múltiplas para apoiar determinadas posições, insultar ou para participar de quaisquer tipos de votações.
A Wikipédia não possui regras fixas, além dos cinco princípios gerais elencados nesta página. Seja audaz ao editar os artigos, pois a satisfação de editar reside em não ser necessário alcançar a perfeição na primeira vez. E não se iniba de editar por temer colocar as coisas de pernas para o ar. Todas as versões dos artigos são preservadas num histórico, de modo que não é possível danificar definitivamente a Wikipédia ou destruir irremediavelmente a informação (Wikipédia, 2021).

Terá sido esta enciclopédia, e toda esta estrutura organizacional, o resultado de um recalcamento do ethos científico, proveniente sobretudo dos séculos XIX e XX?

Partindo da teoria das imitações, proposta no já longínquo final do século XIX por Gabriel Tarde (1978), a ação social parte do complexo para o simples na medida em que primeiro se dão processos psicossociológicos complexos de imitação e conexão, e só depois estes variam para movimentos que tendem para a expansão e universalização simplificada do gesto ou das ideias. A imitação é o lado objetivo que demonstra o sentido da expansão e universalização das forças subjetivas. A contra-imitação, resposta seguinte à imitação, parte da mesma força inicial, mas com sentido oposto. Por seu turno, quando nem imitação nem contra-imitação são consideradas suficientes pelos sujeitos, eis que a invenção surge como uma derivação da força inicial, que nem vai a favor nem contra, necessariamente. Antes origina uma nova linha de fuga, em que nascem novas possibilidades com novas e diferentes forças. Depois da invenção, um novo ciclo imitativo inicia (Tarde, 1978).

Partindo desta premissa, a Wikipédia resulta, em nosso entender, da potencia inicial acontecida num encontro entre pessoas que utilizam o digital como modo de executar uma contra-imitação ao modelo das enciclopédias tradicionais. Ora, as enciclopédias tradicionais estavam povoadas pelo ethos científico, na medida em que em grande parte dos casos foram cientistas e divulgadores de ciência que iniciaram a dinâmica enciclopédica. Todavia, os wikipedistas somaram-lhe tecnologias, que resultam de invenções contingentes, quer dizer, tecnologias existentes na contingência que lhes permitem a transcriação sociotécnica, isto é, a criação de conteúdos de conhecimento e a respetiva difusão universal (internet, colaboração reticular digital, utilização de bots, etc.). O modelo organizacional envolve-se assim em torno de várias possibilidades imitativas, de outros ciclos, apropriando-se das possibilidades que um novo modelo, colaborativo e reticular, permite, e constituindo assim um tipo novo de cultura. Trata-se de uma ligeira inovação cultural do ponto de vista prático, ainda que no geral se mantenha um ethos científico do passado.

No entender de Vogt (2016), a cultura científica é constituída pelo conjunto de ações humanas nos processos sociais de produção, difusão, ensino e divulgação do conhecimento científico. Contudo, para Padilha, Lima Júnior & Santos (2019, p.7), a Wikipédia vai mais longe, na medida em que através dos atuais esquemas sociotécnicos “apresenta uma espiral constante que se retroalimenta, o que acaba por dialogar com a espiral da cultura científica”.

Além disso, em Vogt são quatro os quadrantes na espiral da cultura científica, nomeadamente: produção e difusão da ciência, ensino da ciência e a formação de cientistas, ensino para a ciência e, finalmente, divulgação científica (Vogt, 2003). Ora, de certo modo estes quatro quadrantes ficaram inscritos nos esquemas imitativos dos primeiros wikipedistas, o que depois acabara por dar origem ao Wikimedia Movement, movimento que pretende “apoiar o conteúdo sob o conceito de conteúdo livre e aberto. A Wikipédia é o produto mais famoso do movimento Wikimedia” (Wikidata, 2020).

Por outro lado, se entre as semelhanças do wikipedista com o cientista está o ethos, entre as suas diferenças estão alguns dos assuntos que são hoje caros à ciência. A primeira é a questão da autoria. Para Nora Miller (2005), com a Internet em geral, e com a Wikipédia em particular, regressou-se a um tempo onde reina o “desaparecimento do autor”. No caso concreto do modo de produção de informação wikipedista, isso deve-se a uma “cultura de produção e escrita colaborativa” (Miller, 2005, p. 39). Nada disto é original, se pensarmos que na Antiguidade Clássica o comum era que os escritos fossem produzidos a várias mãos (Grayling, 2020). No entanto, Miller (2005) considera que esta cultura contraria a cultura legal em torno dos direitos autorais, provocando o sistema instituído ao colocar pessoas em torno da “ideia de que cada leitor pode adicionar, alterar ou mesmo apagar outros documentos escritos”, deixando com isso alguns escritores/editores pouco confortáveis (Miller, 2005, p. 39).

Miller faz até uma comparação significativa: “Assim como Newton reconheceu que se apoiou nos ombros de gigantes, também os autores wiki entendem que a gravação de informações por qualquer um de nós realmente só se baseia nos esforços de todos os outros pensadores, leitores e escritores que já existiram” (Miller, 2005, p. 39). Este modo “abraça o processo natural da leitura e da escrita, preferindo o “produto” em constante evolução, mas nunca terminando, ao “produto” estático e rapidamente obsoleto” ((Miller, 2005, p. 39). No seu entender, isto não se trata de anonimato na sua totalidade. O que está em causa no processo colaborativo e em rede não é tanto o anonimato, mas antes a diluição do autor. E é aqui que pode residir a grande questão. Mesmo os registos que a Wikipédia grava em cada alteração não tem como objetivo a autoria, mas antes o registo, quer dizer, “se uma página mudou desde a última vez que a visualizaram ou para descobrir a identidade de um escritor que talvez introduziu um erro ou um comentário espúrio” (Miller, 2005, p. 40).

Um outro aspeto que tende a afastar um outro modo de legitimidade científica em torno dos processos colaborativos da Wikipédia tem a ver com a desconfiança que o próprio modelo gera. De modo resumido, esta reside no facto de que a conceção de uma enciclopédia remete para a ideia clássica de uma obra cujos autores são, em sua maioria, especialistas em algo, que passam a ser autores certificados, e de que o texto final a ser publicado deve ser submetido a um corpo definido de revisores (Miller, 2005). A questão de os editores não serem certificados por diplomas, até porque nem sequer é possível saber com precisão quem são os editores e quais as suas formações, e ao mesmo tempo existir nivelamento entre os diferentes editores, coloca um conjunto de questões de legitimidade. Neste caso, a autoridade de cada membro é semelhante, independentemente da formação e dos conhecimentos, desde que seja possível refutar com factos externos. Por um lado, dá-se maior democracia ao processo. Por outro, ignora-se o potencial de conhecimentos dos editores e das suas diversas especificidades, diluindo-os numa massa contingente, o que poderá afastar todos aqueles que se encontram sob a necessidade de ter resultados objetivos das suas produções. Os processos de avaliação profissional, por exemplo, obrigam a provas de produção.

Além disso, existem casos de vandalismo no ecossistema da Wikipédia, em vários casos com repercussão nos meios de comunicação social. Esta dinâmica tende a gerar a impressão de que os verbetes nesta enciclopédia digital não são confiáveis (Rabin, 2016) e que não devem ser consultados para estudo e investigação (Jaschik, 2007). Ainda que os robôs anti-vandalismo sejam eficazes, existem truques, como a utilização de fontes dúbias, que podem trazer algum obscurantismo aos seus processos de confiabilidade. Todavia, para Braz e Souza (2014), “a produção colaborativa de conteúdos na Wikipédia está relacionada a indicadores de confiabilidade que convergem elementos de fontes de informações impressas e digitais. Os indicadores de confiabilidade das fontes de informação da web, mais precisamente da produção colaborativa, têm a possibilidade de estarem constantemente sendo atualizados, o que é providencial para a confiabilidade das informações” (Braz e Souza, 2014, p.9). Para concretizar a confiabilidade, a Wikipédia impõe o princípio da imparcialidade, que “destaca que os artigos e verbetes sejam elaborados de forma neutra e imparcial, abrangendo pontos de vista divergente sobre um mesmo assunto” (Braz & Souza, 2014, p.25). A esse, somam-se os princípios de “Notoriedade, Nada de Pesquisa Inédita, Fontes Primárias e Direitos Autorais. Eles mantêm uma interligação, pois asseveram que os artigos produzidos colaborativamente devem ter como referências outras fontes de informação, conhecidas e reputadas” (Braz & Souza, 2014, p.25). O que, para autores como Miller (2005), Rabin (2016) e Jaschik (2007) continua a ser insuficiente, na medida em que se continua a dar uma ausência de vigilância científica por pares especializados nos processos de produção de conteúdos.

Em síntese, o ethos wikipedista mistura práticas e éticas antigas com novas dimensões sociotécnicas. As práticas e éticas antigas garantem, em tese, o cumprimento da missão de conferir poder informacional e de engajar pessoas pelo mundo para recolher e desenvolver conteúdo educacional sob uma licença livre e universal. As novas dimensões sociotécnicas, como o uso de bots e scripts, simplificam processos de gestão de informação (vandalismos, atualização instantânea, pedidos de verificação, etc.), tornando o processo mais eficiente. A diluição do autor, a morte da hierarquização na produção tendo em vista uma supremacia de fontes externas nem sempre consensuais, e a ausência de revisão por pares especializados, são três dos principais fatores evocados para lançar alguma suspeita sobre o processo colaborativo da Wikipédia, nomeadamente no seio da academia. Em nosso entender, trata-se de um interessante antagonismo que reflete uma luta entre um modelo mais estável e um novo modelo sociotécnico.

Pedro Rodrigues Costa

Investigador no CECS – Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade

 

Referências:
Braz, S. C. F & Souza, E. D. (2014). Os desafios da confiabilidade da informação na Produção colaborativa de conteúdos: Análises na Wikipédia, a Enciclopédia Livre. Ciência da Informação em Revista, 1, 3, 19-31. Retirado de https://www.seer.ufal.br/index.php/cir/article/view/1597
Costa, P. R. (2020a). Impactos da captologia. Problemáticas, desafios e algumas consequências do “dar vistas” ao ecrã em rede. Revista Sociologia Online, 23: 74-94. DOI: https://doi.org/10.30553/sociologiaonline.2020.23.4
Costa, P. R. (2020b). Eu sou tu. Tu és intelecto contingente. In J. P. Neves, P. R. Costa, P. de V. Mascarenhas, I. T. de Castro & V. R. Salgado (2020), Eu sou tu. Experiências ecocríticas (pp. 271-294). Braga: CECS. Retirado de http://www.lasics.uminho.pt/ojs/index.php/cecs_ebooks/article/view/3325
Grayling, A. C. (2020). Uma história da filosofia. Lisboa: edições 70.
Jaschik, S. (2007, 26 de janeiro). A stand against Wikipedia. Inside Higher Ed. Retirado de https://www.insidehighered.com/news/2007/01/26/stand-against-wikipedia
Merton, R. K. (1973). The Sociology of Science: Theoretical and Empirical Investigations. Chicago: University of Chicago Press.
Latour, B. (2020). Por que a crítica perdeu a força? De questões de fato a questões de interesse. O que nos faz pensar – Cadernos do Departamento de Filosofia da PUC-Rio, 29 (46), (pp. 173-204). DOI: https://doi.org/10.32334/oqnfp.2020n46a748
Martins, M. L. (2011). Crise no castelo da Cultura. Das estrelas para os ecrãs. Coimbra: Grácio Editores.
Miller, N. (2005). Wikipedia and the disappearing “author”. ETC: A Review of General Semantics, 62, 1: 37-40. Retirado de http://www.generalsemantics.org/wp-content/uploads/2011/04/etc-62-1-sample-issue.pdf
Padilha, I. M. C., Lima Júnior, M. P. A e Santos, M. R. A (2019). A democratização da divulgação científica através do Wikipédia. In XXI Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste, São Luís, de 30/05 a 01/06/2019. Retirado de https://portalintercom.org.br/anais/nordeste2019/resumos/R67-1218-1.pdf
Perniola, M. (1993). Do sentir. Lisboa: Presença.
Rabin, C. G. (2016, 7 de julho). Como erros, boatos, mentiras e pegadinhas na Wikipédia afetam o mundo real. Motherboard. Retirado de http://motherboard.vice.com/pt_br/read/como-mentiras-na-wikipdia-afetam-o-mundo-real
Tarde, G. (1978). As leis da imitação. Porto: Rés Editora.
Vogt, C. (2003). A espiral da cultura científica. Revista Eletrônica com Ciência, 45, s.p., Retirado de http://www.comciencia.br/dossies-1-72/reportagens/cultura/cultura01.shtml
Wikidata (2020). Movimento Wikidata. Retirado de   https://m.wikidata.org/wiki/Help:Wikimedia?fbclid=IwAR08y7ZgioOLOaYUs3ZSxDBhLerixzEnVH07BN2CHli9ugsoLc9_5pOi_Ks
Wikipédia (2021). Cinco pilares fundadores da Wikipédia. Retirado de https://pt.wikipedia.org/wiki/Wikip%C3%A9dia:Cinco_pilares

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment