Skip links

Alto Minho: OMS alerta para o perigo de cancro

O projeto é da responsabilidade da Rede Elétrica Nacional (REN) e visa reforçar a Rede Nacional de Transporte de Eletricidade (RNT) entre o Minho e a Galiza. A nova linha terá 51 km, totaliza 6.029 hectares e passa por 6 concelhos, Vila Verde (Braga), Arcos de Valdevez, Ponte da Barca, Ponte de Lima, Monção e Melgaço, totalizando 55 freguesias.

O Bloco de Esquerda (BE) questionou o governo sobre o impacto da construção da linha dupla de alta e muito alta tensão, que terá cerca do dobro da tensão habitual, e vai desde Ponte de Lima a Fonte Fria, Galiza, e abrange cinco concelhos do Alto Minho.

O BE lembra ainda que estudos da Organização Mundial de Saúde (OMS) consideram que é altamente recomendável que se estabeleça o princípio da precaução, alertando “para uma relação direta entre a instalação destas megaestruturas e o aumento de casos do foro oncológico, nomeadamente, para uma maior ocorrência de leucemia, Alzheimer ou esclerose lateral amiotrófica, nas populações expostas às ondas eletromagnéticas emitidas por estas estruturas”.

Ainda de acordo com o BE, a linha que a REN quer implantar “prevê o transporte de energia numa potência inaudita em Portugal, num traçado que até agora foi apresentado de forma pouco rigorosa (intencionalmente ou não) quanto à proximidade a locais povoados, sem que as várias Juntas de Freguesia tenham recebido o estudo de Impacto Ambiental e sem que as populações afetadas tenham sido devidamente informadas”.

Anúncio

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment

  1. O dinheiro anda sempre à frente, progresso pago com a vida das pessoas não é bem vindo, doença já há por aí que chegue e sobre…..

  2. Não à esse projeto que nos vai trazer inúmeras doenças muito graves senhores autarcas sejam responsáveis

  3. É lamentável que, quem tem o dever de zelar pelas populações, não interfira e se oponha ferozmente a mais este atentado à saúde pública. Só se lembram das pessoas quando querem o seu voto…