Skip links

“Esta noite vou dormir tranquila…os meus filhos amanhã, vão poder comer!”

A reportagem lançada na passada sexta-feira, e que dava conta de duas famílias arcuenses que, altamente penalizadas pelo aumento no preço do serviço de água, criou uma onda de solidariedade que não era esperada. Marina Pinto, uma das mães que nos deu o seu testemunho, explicou a grave situação na qual se encontrava e foi precisamente essa família que foi alvo desta onda de solidariedade enorme. Foram ajudados por muitas pessoas, duma forma imensamente altruísta.

Certamente que Marina e a sua família dificilmente irão esquecer o dia 18 de abril, porque foi precisamente nesse dia que receberam sete sacos cheios de alimentos que, certamente, irá fazer que esta mãe, pelos menos durante as próximas semanas, não tenha de se preocupar ‘com arranjar comida para por na mesa’, como nos confidenciou que fazia todos os dias, desde há algum tempo.

O Pasquim da Vila não conseguiu ficar indiferente ao testemunho desta mulher desesperada e decidimos falar com o Edgar Costa, um dos sócios-gerentes do Supermercado Super+, em Ponte da Barca, que ao conhecer a história, também ele ficou sensibilizado e, sem hesitar, quis ajudar pedindo a lista dos produtos que essa família precisava. Nós fornecemos uma lista daqueles produtos que achávamos básicos para a alimentação da família (massa, arroz, bolachas, pão, atum, óleo, leite, iogurtes) mas o Supermercado Super+ não se ficou por ali, adicionou à lista, muitos mais produtos para garantir que aquela família pudesse, realmente, colmatar as suas necessidades. Foram sete sacos repletos de comida para esta família…com carne, frutas, vegetais, bebidas, iogurtes…tudo em quantidades generosas!

…uma parte do cabaz oferecido 

Todos nós, nesta fase de pandemia, estamos a passar por necessidades, uns mais do que outros. Mas é precisamente isto que diferencia os heróis da sociedade. Aqueles que, ainda quando também se estão a ver penalizados, encontram sempre a maneira de ajudar e o fazem com um desprendimento digno de ser aplaudido. Certamente que, infelizmente, haverá muitas mais famílias como a da Marina que estão a precisar de muita ajuda, mas cabe à sociedade unir-se para que estes casos sejam cada vez menos. Cada um de nós, devia funcionar como agente de apoio às pessoas do nosso próprio entorno.

Por vezes, as situações de catástrofes, guerras, pandemias, conseguem tirar o melhor das pessoas. E é precisamente nessas situações limite que conhecemos aqueles que realmente são capazes de nos ajudarem. E digo isto porque o comércio tradicional também ele, está a passar por sérias dificuldades, mas são eles os primeiros a se disponibilizarem para ajudar as suas populações, ou populações vizinhas. São eles aqueles que quando há uma festa na aldeia, dão sempre o seu contributo, muitas vezes quase sem poderem. É na porta desses mesmos comércios que as pessoas batem para apoiar uma turma que precisa de dinheiro para a viagem de finalista, ou então, para ajudar aquela equipa de futebol que precisa de patrocínios…e as portas sempre estão abertas! Não são as grandes superfícies comerciais que ajudam aqueles que mais necessitam, porque nem sequer é possível chegar a eles com estas histórias, de pessoas que realmente precisam ajuda. Porque são simplesmente superfícies comercias, sem um rosto a quem recorrer.

A família da Marina pode agora respirar de alívio durante alguns dias, entretanto, pode ser que chegue a normalidade. Todos aqueles que somos pais de família conseguimos perceber a angustia que deve significar não ter maneira de sustentarmos os nossos filhos. Há muitas famílias nesta situação nos nossos próprios concelhos, mas também é aqui onde encontramos estes anjos anónimos que ajudam sem hesitar. Que nem sequer questionam! Simplesmente ajudam porque eles próprios sabem e conhecem o difícil que a vida pode ser!

…fotografia enviada pela Marina

 

“A solidariedade é o sentimento que melhor expressa o respeito pela dignidade humana” 

Franz Kafka

“Se pagar esta fatura de água fico sem dinheiro para a comida dos meus filhos”, testemunhos em Arcos de Valdevez!

Vanessa Reitor

 

 

 

 

 

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment