Skip links

TANTAS CURVAS, E EU SEM TRAVÕES!

Esta frase bem poderia ser um desabafo -assustador- de alguém que está prestes a ter um acidente. Mas não! É um piropo! Um daqueles mais antigos que costumávamos ouvir num passado bem recente, se calhar quando ainda éramos jovens e jeitosos! 😊

A realidade é que a falta dos piropos nada tem a ver com o facto de terem passado os anos por nós, mas sim, com o facto da radicalização do pensamento. Se bem é certo que, desde sempre, existiram piropos que roçavam na vulgaridade, não é menos verdade que muitos deles eram clássicas demonstrações dum imaginário, ao mais alto nível! E que nada tinha a ver com assédio.

Todos nós, independentemente de sermos homens ou mulheres, gostamos de nos sentir bem connosco próprios. Todos nós gostamos de ouvir dizer: que bom aspeto! Estás muito bem! Olha que gira (o) que estás! Todas estas frases adicionam pontos à nossa própria autoestima. Mas os piropos têm vindo a desaparecer porque tudo pode ser confundido com assédio. E ninguém está disponível para se meter num problema legal só porque achou que a vizinha é “bué gira” e num ato de coragem, disse-o. Prefere calar e desta forma, evitar maus entendidos.

Todos nós, que já estamos numa faixa etária diferente (quase nos 40, eu já neles) crescemos sabendo conviver com os piropos. Os bons e os maus. Nós próprios fazíamos a filtragem deles! Sim, porque estamos de acordo que nem todos interessam. Mas não andávamos pela rua com ‘a mania de perseguição’ pensando que qualquer olhar ou comentário acerca da nossa pessoa vinha carregado duma vontade de assédio!

Podíamos ouvir frases como: “és como um helicóptero ‘gira e boa”; “a tua mãe só pode ser ostra, para ter cuspido uma pérola como tu”; “ainda dizem que as flores não andam!” ou “diz-me lá o teu nome para te pedir ao Menino Jesus!” …e em nada sentíamos que tivéssemos sido ofendidos. Mas hoje em dia, com a crescente radicalização do pensamento, um pouco imposto pelos movimentos em prol dos direitos de homens e/ou mulheres, até a forma como ‘lisonjeamos’ alguém pode ser visto como uma falta de respeito ou, nos casos mais graves, assédio sexual!

E assim, estas frases de engenho popular vão perdendo a sua magia. Costuma-se dizer que a maldade está nos olhos de quem vê; no caso dos piropos, a maldade está nos ouvidos que os ouve! Por isso, para ti, que ainda estás a ler este texto digo-te: “que avançada que a ciência está, que até os bombons leem!” 😊  

Feliz semana!

VANESSA REITOR

 

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment