Skip links

CONHECE A HISTÓRIA DA MARCHA DA BARCA?

por Inês Portocarrero

Imbuída do espírito de pré-Romaria que se vive em Ponte da Barca por estes dias, proponho ao leitor do Pasquim que fique a saber um pouco da história da música mais trauteada nesta terra pelas suas gentes e também pelos de fora!

 

Manuel Bento Cerqueira Dias (que adoptou o pseudónimo de Manuel Parada), nascido e criado em Ponte da Barca, sempre foi uma presença constante na Romaria de São Bartolomeu enquanto locutor em eventos e festas, mas também na Rádio Barca, tendo chegado a ser a voz da publicidade sonora da Romaria.

Manuel Parada escreveu para o “Povo da Barca”, “Notícias da Barca, “Diário do Norte”, Diário Popular” e “Jornal de Notícias. Na obra que deixou, vemos refletido o seu amor imenso à Barca e à Romaria de São Bartolomeu.

Em 1955 foi-lhe encomendada uma música a ser estreada pelo Orfeão Barquense num cortejo de oferendas a favor da Santa Casa as Misericórdia e daí surgiu a “Marcha da Barca”, cuja letra e música são uma composição sua.

Atualmente, a música é considerada um ex-libris da Romaria de São Bartolomeu e do concelho, a ponto de já ter sido elevada, pelo povo, à categoria de Hino da Barca! É conhecida por todos através de uma voz que também dispensa apresentações – a do cantador Armando Marinho.

Este importante pedaço de património cultural de Ponte da Barca é trauteado com uma devoção desmedida pelos Barquenses e pelos milhares de romeiros que todos os anos a visitam, principalmente em dias (e noites! e alvoradas!) de Romaria.

Acarinhado por todos é já um símbolo de bons momentos passados nas ruas desta terra, entre amigos!

Manuel Parada deixou-nos fisicamente em 2007. O seu nome foi atribuído a uma Praça da vila e a sua obra pode ser conhecida no livro “Pegadas do Meu Caminho”, editado em 2009 pela Câmara Municipal de Ponte da Barca.

Todos os anos está entre nós quando cantamos bem alto a sua Marcha.

Uma vez estava com o meu pai (Manuel Parada). Ele ficou até mais tarde uma noite, ali na esplanada. Estávamos no gradeamento, os dois, em frente ao (Café) Central. E muita gente (…) começou a cantar a “Marcha da Barca” e eu senti uma grande emoção. E o meu pai disse: “Lindo, bem cantado!” – e isso ficou-me. Foi das coisas que eu me senti muito emocionado (…). Aquelas vozes fortes, de pessoas não só daqui da Barca mas também de fora, que cantavam.”*

*testemunho de Arsénio Dias, filho de Manuel Parada, para a publicação “Ó Meu São Bartolomeu – Memórias de Dias de Festa”

Crédito fotografia: Carlos Rocha 

 

MARCHA DA BARCA

Quando o mundo Deus formou,

Caiu do céu uma estrela,

Bendita!que de luz tudo brilhou

E aqui ficou

Para quem pretender vê-la

Ponte da Barca,

Sempre formosa e contente!

É tanta a graça

Que cativa toda a gente!…

Tem como sina,

Que linda é!

Ser só traquina,

Loira menina

P’ra dar ao pé!…

Senhora nobre e hospitaleira

Tem sobre ela o sol doirado,

Quando à tarde se penteia

E se meneia

P’ró Lima seu namorado!…

Disseram poetas e cantores

Que musa assim não há igual!

Será porque todas as flores

São os amores

Dum jardim de Portugal?!

Letra e música de Manuel Parada, 1955

Fonte: “Ó meu São Bartolomeu – Memórias de Dias de Festa”, editado pelo Município de Ponte da Barca, 2017

Escreva um comentário

Nome

Website

Comment

  1. Post comment

    José Sebastião Martins says:

    Conheci bem o senhor Manuel parada um excelente homem grande amigo e concegui chegar a tempo do seu funeral ⚰️ para dizer a te um dia só me resta dizer obrigado por que fez pela Ponte da Barca